Domingo, 24 de Outubro de 2021

Médicos estudam possível elo entre vacinas da Covid-19 e mudanças na menstruação


As vacinas da Covid-19 afetam a menstruação? burin kul por Pixabay

Um efeito pouco conhecido das vacinas contra a Covid-19 parece ter afetado uma quantidade significante de mulheres no mundo todo. Segundo relatos nas redes sociais, muitas mulheres e meninas enfrentaram efeitos colaterais como aumento do fluxo menstrual, escapes fora do comum e existem até mesmo queixas sobre o atraso da menstruação após a aplicação da primeira dose da vacina.

Um levantamento ao qual o site britânico The Times teve acesso indica que no Reino Unido ao menos 4 mil mulheres reportaram mudanças em seus períodos menstruais após terem recebido a vacina da Covid-19 em maio deste ano.

Do total, 2.734 casos foram observados com a vacina da Oxford em parceria com a AstraZeneca, 1.158 com a vacina da Pfizer e da BioNTech e 66 após uma dose da vacina da Moderna.

Em seu perfil no Twitter, a médica Kate Clancy falou sobre a sua experiência pessoal de um “fluxo muito intenso” após tomar a vacina da Moderna. Em sua postagem, diversas mulheres compartilharam ter passado pela mesma situação.

Em um deles, uma mulher conta que “toma anticoncepcional sem semana de placebo, então não menstrua”. Segundo ela, isso mudou algumas horas depois de ela ter tomado a primeira dose da vacina contra a Covid-19 (sem especificar qual foi, exatamente).

Os estudos sobre o tema, no entanto, são escassos — mas médicos no mundo todo têm tentado encontrar uma possível ligação entre menstruação e a vacina contra o coronavírus.

Em entrevista ao site London Gynaecology, a ginecologista Narendra Pisal afirmou que “em sua experiência, essas mudanças no ciclo menstrual se resolvem em três ciclos”.

“O risco é muito menor do que o benefício ao se tomar a vacina e ficar protegido de infecções graves da Covid-19 — então recomendamos fortemente a vacina para todas as mulheres”, conta.

Segundo a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA, na sigla em inglês) britânica, os “problemas durante o ciclo menstrual são extremamente comuns”.

“Então, durante qualquer período de tempo, você espera que as mulheres tenham esse tipo de problema. Se a janela de tempo incluir a pós-vacinação, os problemas podem acontecer apenas por coincidência. Os problemas na menstruação não são, geralmente, relacionados à imunização, então a plausibilidade de alguma ligação é baixa. E o MHRA não observou um aumento em eventos do tipo”, afirmou o órgão, que seria a Anvisa do Reino Unido.

Em um comunicado, a doutora Sue Ward, vice-presidente do Colégio Real para Obstetras e Ginecologistas, afirmou que mais dados são precisos para, realmente, chegar a uma conclusão sobre a possível interferência das vacinas com o ciclo menstrual.

Mas, para Ward, o “bem-estar psicológico” pode alterar, naturalmente, os níveis hormonais das mulheres. “Algo que consome tanto e muda tanto as nossas vidas como uma pandemia global pode resultar nas mulheres terem experiências diferentes com os seus períodos menstruais”, afirmou.

Para Ward, a recomendação que fica é a de que as mulheres que passem por mudanças substanciais em suas menstruações procurem um médico, além de reportar sua preocupação em relação ao fato de isso estar ligado ou não com a vacinação.

Pat O’Brien, vice-presidente da parte de membros do Colégio Real, afirmou recentemente que “as mudanças no fluxo menstrual das pessoas após a vacinação foram leves e não devem impedir mulheres de tomarem a vacina”.

No Twitter, a doutora Victoria Male, do Imperial College London, explicou que vacinas como a da gripe e do HPV também podem causar mudanças temporárias na menstruação.

“A primeira coisa a dizer sobre isso é que quase todos os relatos falam sobre mudanças de curto prazo (referentes a um ciclo, às vezes dois). Portanto, se você tiver um período estranho logo após a vacina, é improvável que isso incomode por mais de um mês”, afirma.

“A segunda é que sabemos que algumas outras vacinas também têm efeitos de curto prazo no ciclo menstrual, por exemplo, a da HPV e a da gripe. Também sabemos que essas vacinas não prejudicam a fertilidade”, continuou a especialista.

Male ainda explicou que o período médio para a menstruação é variável e não foi “estudado vastamente”. “Os cientistas ainda têm poucos dados bons sobre o quão comum é para alguém que tem ciclos regulares ter um mês incomum”, explica.

Por enquanto, a ciência ainda tenta descobrir os impactos das vacinas na menstruação. O que se sabe é que não existe relação entre as vacinas e infertilidade e que, portanto, as pessoas não precisam adicionar isso para a lista de preocupações.

A grande maioria dos cientistas também acredita que as mudanças, se realmente causadas pela vacina, devem passar rapidamente e não causam alterações problemáticas na vida dos indivíduos. E a recomendação da comunidade científica segue a mesma: vacine-se.


Fonte: CNN Brasil