Portal do MS - Sua fonte de notícias de Mato Grosso do Sul

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Notícias/Brasil

Ministério Público do Rio investiga fraude na compra de imóveis

Terceira fase da Operação Lázaro investiga fraudes em cartórios de registro imobiliário na Baixada Fluminense. Estão sendo cumpridos hoje 17 mandados de busca e apreensão.

Ministério Público do Rio investiga fraude na compra de imóveis
© Marcelo Camargo/Agência Brasil
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A 2ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada dos Núcleos Duque de Caxias e Nova Iguaçu do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) deflagrou hoje (19) a terceira fase da Operação Lázaro que investiga fraudes em cartórios de registro imobiliário na Baixada Fluminense .Estão sendo cumpridos nesta terça-feira 17 mandados de busca e apreensão. Segundo o MPRJ, nas diligências, um tabelião do 5º Ofício foi preso em flagrante por posse de arma de uso restrito.

A investigação começou com a apreensão, no 10º Ofício, da escritura pública de um terreno do tamanho de 20 campos de futebol, localizado no Distrito Industrial de Queimados, a Baixada Fluminense. “O MPRJ constatou que o documento era falso e conseguiu apurar que os denunciados, com a ajuda determinante do tabelião do 5º Ofício, se apossaram e venderam esse imóvel”, informou.

Conforme a denúncia do MPRJ, posteriormente, com o terreno sem uso, o grupo repassou a propriedade para a empresa do ex-deputado federal e ex-secretário de Esportes do estado do Rio Felipe Bornier e de parentes dele. Para a promotoria, a família Bornier sabia que a documentação do terreno era fraudada. Ainda de acordo com o MPRJ, em troca da negociação, o grupo fez transferência de vários imóveis para os integrantes do esquema, inclusive para o tabelião. “A transferência foi feita por meio de simulações de compra e venda desses imóveis”, completou o MP.

A Operação Lázaro teve início no dia 28 de fevereiro de 2019, para cumprir 17 mandados de prisão e de busca e apreensão contra pessoas ligadas a organizações criminosas que são apontadas por atuar em cartórios de notas e registros de imóveis de municípios da região.

FONTE/CRÉDITOS: Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil
Comentários:

Veja também

Seja bem vindo!