Portal do MS - Sua fonte de notícias de Mato Grosso do Sul

Domingo, 14 de Agosto de 2022

Notícias/Mato Grosso do Sul

Pantanal é um dos grandes emissores de gás poluente na atmosfera

Estudo da Embrapa indica que pecuária tem efeito menor para o meio ambiente do que a própria emissão de gás metano que o bioma produz.

Pantanal é um dos grandes emissores de gás poluente na atmosfera
Divulgação
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O controle da emissão de gás metano (CH4) é um dos desafios para evitar danos na camada de ozônio. 

Ele é o segundo gás em importância para causar o efeito estufa, além do dióxido de carbono (CO2) e do óxido nitroso. 

Porém, estudo feito pela Embrapa Pantanal aponta que o CH4 deve chegar à atmosfera do planeta até a metade do século 21, sendo emitido apenas por condições naturais. 

E justamente o Pantanal, que está em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, é um desses locais que vão contribuir com essa emissão.

As áreas úmidas em regiões tropicais são fontes naturais de emissão do gás metano, independentemente da atividade econômica que é desenvolvida nessas regiões.  

A pesquisa da Embrapa Pantanal, divulgada em 2018, vem subsidiando políticas públicas e outros estudos para indicar que o setor da pecuária não é exatamente um vilão na poluição do meio ambiente em se tratando da criação de gado existente no bioma de áreas alagáveis.

Corumbá, por exemplo, figurou em 2016 como o segundo município com maior rebanho do Brasil, com 1,82 milhão de animais. 

A partir dessa situação, houve diversos indicativos de que o gado de corte poderia gerar poluição com gás metano no meio ambiente, o que se refletiria no próprio bioma.  

Estudos apresentados na pesquisa da Embrapa Pantanal apontam que as emissões do gado variam entre 115 e 150 g CH4 por dia.  

O Nelore adaptado ao bioma chega a emitir entre 141 a 323 g CH4. 

A pesquisa foi mais a fundo e identificou que no município da Capital do Pantanal, o gado criado gera entre 94 e 214 Gg (coeficiente de matriz de emissões) CH4 por ano.

“Uma típica fazenda extensiva no Pantanal, de aproximadamente 10 mil hectares e cerca de 2 mil animais, deve produzir anualmente em torno de 103 a 236 Mg de CH4. 

Considerando que cerca de 50% da propriedade fica inundada, a emissão nos campos fica na faixa de 440 a 10.800 Mg CH4 por ano”, aponta o estudo da Embrapa Pantanal, que também tem pesquisadores da Embrapa Gado de Corte e Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados.

“Como resultado, a emissão de um sistema tradicional de criação de bovinos no Pantanal é esperada ser muito menor e deve representar uma fração pequena diante da magnitude e da variabilidade de áreas de emissão de CH4 por conta dos ciclos de cheias”, completa o estudo.

O trabalho científico foi publicado na Elsevier, em inglês.

A questão sobre a emissão de gases poluentes na atmosfera ganhou repercussão nesta semana por conta da divulgação, na segunda-feira (13), da segunda edição do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG).

A pesquisa foi elaborada pelo Observatório do Clima com dados de 2019, apenas um ano seguinte à publicação do estudo da Embrapa.  

Essa pesquisa do Observatório do Clima indicou que Corumbá ainda figura como um dos municípios no Brasil com maior emissão de gases. 

A Capital do Pantanal, junto com Cáceres (MT), corresponde a 49% das emissões que existem no Pantanal.

“No quesito emissões acumuladas no período 2000-2019, o município de Corumbá (MS) é o primeiro do ranking, com total acumulado de 74,5 MtCO2e, seguido por São Félix do Xingu (PA) e Ribas do Rio Pardo (MS), com 73,7 e 49,9 MtCO2e, respectivamente”, indicou o Observatório do Clima no estudo divulgado nesta semana.

Com a pecuária não representando o maior número em emissão de gases, um dos problemas enfrentados por Corumbá para cortar essa poluição é atuar diretamente para mitigar e prevenir os incêndios florestais no bioma.

FONTE/CRÉDITOS: Correio do Estado
Comentários:

Veja também

Seja bem vindo!