Portal do MS - Sua fonte de notícias de Mato Grosso do Sul

Terça-feira, 05 de Julho de 2022

Notícias/Policial

Polícia Militar Ambiental aplicou R$6,29 milhões em multas no Estado em 2022

Valores superam em R$2 milhões o mesmo período do ano passado; registros são da pesca, fauna, flora e poluição.

Polícia Militar Ambiental aplicou R$6,29 milhões em multas no Estado em 2022
Divulgação
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul aplicou multa de R$6,29 milhões por crimes cometidos contra a pesca, fauna, flora e poluição no estado. O valor é referente apenas a 2022. Só em março deste ano o departamento penalizou a região sul-mato-grossense em RS4 milhões.

Os números da Secretaria de Estado e Justiça de Segurança Pública (Sejusp-MS), superam em 33% os dados elencados pela pasta no mesmo período de 2021, época em que o Sejusp registrou R$4,245 milhões em apreensões. 

Ao longo do período foram 2192 notificações no Sistema Integrado de Gestão Operacional (Sigo) e 295 autos de infração; 144 notificações na flora (vegetação), 76 no setor de pesca, 50 de poluição e 25 registros na fauna (animais). 

Os números do Sigo correspondem, na prática, às ordens de serviço realizadas pela PMA. Os autos de infração (AI), representam as aplicações de multas. 

Os valores das multas já aplicadas em 2022 representam 16% dos mais de R$38 milhões aplicados pela Polícia Militar Ambiental ao longo do último ano. Caso a média mensal perdure, as multas podem chegar a R$25 milhões até o fim do ano. 

Em dado comparativo, apesar de valores menores, o mesmo período de 2021 registrou 302 notificações a mais do que a atual temporada, percentuais 12% maiores do que os deste ano. 

De acordo com o Coronel Ednilson Queiroz, o período da piracema contribui efetivamente pelos acréscimos registrados até o momento. 

“Certamente o período de pescas ilegais realizadas durante a piracema, ou mesmo com petrechos irregulares, redes, tarrafas, todas estas irregularidades influenciam nos registros do sistema”, disse Queiroz.

FONTE/CRÉDITOS: Correio do Estado
Comentários:

Veja também

Seja bem vindo!