Portal do MS - Sua fonte de notícias de Mato Grosso do Sul

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Notícias/Policial

Policiamento na fronteira cresceu 50% após atentado contra prefeito

Secretário de Segurança de MS disse que efetivo pode ser novamente ampliado se paraguaios solicitarem.

Policiamento na fronteira cresceu 50% após atentado contra prefeito
Divulgação
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Em menos de uma semana, as forças policiais que atuam na região de fronteira entre Mato Grosso do Sul e Paraguai cresceram mais de 50%, segundo o titular da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Antonio Carlos Videira, depois do atentado contra o prefeito de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo.  

Esse aumento pode ser ainda maior nos próximos dias, já que, de acordo com o secretário, o governador do Estado, Reinaldo Azambuja, autorizou que seja empregado o efetivo que for necessário para ajudar autoridades paraguaias a identificar os envolvidos com o crime e prender essas pessoas.

“Desde o atentado contra o policial do Bope [em março deste ano], estamos mantendo um efetivo maior, com intensas ações na linha de fronteira. Mas hoje estamos com mais 50% do efetivo normal da região, que se tornou um lugar extremamente policiado e que exige ação tanto do lado paraguaio quando do brasileiro”, afirmou Videira.

O secretário afirmou que esta semana o governador orientou que esse número pode aumentar, de acordo com a demanda que o Paraguai solicitar. Videira disse também que a inteligência da polícia brasileira segue trabalhando com a polícia do país vizinho para ajudar a identificar os autores desse crime.

“A ordem do governador é para intensificar a fiscalização na linha de fronteira, tanto com o Paraguai como com a Bolívia, mas principalmente em Ponta Porã, de acordo com demanda do Paraguai”, explicou.

Na semana passada, o Correio do Estado já havia informado que Mato Grosso do Sul havia montado uma força-tarefa na região de fronteira para garantir a segurança das cidades fronteiriças e ajudar na busca pelos envolvidos no crime.

O Estado enviou mais equipes do Choque, do Batalhão de Operações Especiais (Bope), do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) e da Polícia Militar Rodoviária (PMR). Além disso, o governo federal também havia autorizado a ampliação de efetivo da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

MORTE

No sábado (21), depois de quatro dias internado, José Carlos Acevedo morreu. O prefeito foi atingido por sete tiros na terça-feira (17) e teve a morte cerebral constatada no fim de semana. Ontem, o intendente foi velado e enterrado em Pedro Juan Caballero.

“Nós prestamos toda a solidariedade possível para a família, a gente conhece a trajetória dos Acevedos. Trabalhei 25 anos na fronteira, e lamentavelmente ocorreu essa tragédia. Estamos prestando também, junto aos órgãos federais, todo apoio necessário”, lamentou o secretário.

Para Videira, o crime não foi motivado apenas pela briga de território entre as quadrilhas instaladas na região de fronteira. “Estamos dando todo o apoio necessário na área de inteligência, para repressão do atentado. É um crime que transcende a disputa de território, tem muito mais questões por trás desse atentado, não somente esse. Os três irmãos vinham há muitos anos denunciando o crime organizado, o tráfico de drogas”, disse o titular da Sejusp.

O aumento no efetivo na região de fronteira, de acordo com o secretário, segue por tempo indeterminado, até que as autoridades dos dois países avaliem ser necessário.

Duas mulheres, Mirta Raquel López e a advogada Liz Mercedes López, já estão com a prisão decretada porque a arma do crime foi encontrada em posse delas, de acordo com o site ABC Color.

Outros quatro suspeitos de participar do crime, segundo autoridades paraguaias, são procurados em Ponta Porã, busca que conta com ajuda das polícias brasileiras. Os atiradores são paraguaios, mas, segundo a polícia do país vizinho, eles estão vivendo no Brasil.

Na semana passada, a Polícia Nacional do Paraguai cumpriu mandados de busca e apreensão durante as investigações sobre o atentado contra José Carlos Acevedo.

A polícia fez buscas na casa de Vilma Macchi, que foi detida. Ela é mãe de Gregorio Papo Morales, famoso criminoso do país, condenado por homicídio. No momento em que a polícia chegou ao local, os guarda-costas de Vilma estavam com a arma que teria sido usada no crime contra o prefeito. Já Mirta López seria a dona da arma.

FONTE/CRÉDITOS: Correio do Estado
Comentários:

Veja também

Seja bem vindo!