Portal do MS - Sua fonte de notícias de Mato Grosso do Sul

Terça-feira, 05 de Julho de 2022

Notícias/Policial

"Por que fizeram isso comigo?": transexual agredida a pauladas terá sequelas

Agredida em caso de transfobia, vítima sofreu traumatismo craniano severo; família pede doações.

Reprodução/Whatsapp)
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Com traumatismo craniano severo, sem os dentes de cima, olhos inchados, Cláudia Aparecida Linda, de 40 anos, mal consegue se mover e falar, apenas sussurra “Por que fizeram isso comigo? Será que vão voltar aqui?”.  A família fez uma vaquinha para arrecadar doações para enfrentar o que vem pela frente. 

“Virou uma criança, vai ter sequelas”, resume Daiane Almeida, de 27 anos, sobrinha da transexual espancada há seis dias por dois homens, pai e filho, em Mundo Novo, a 463 quilômetros da Capital. 

A paciente estava em hospital de Dourados, mas ao sair da UTI (Unidade de Terapia Intensiva), foi transferida de volta para a cidade onde mora.

A sobrinha conta que defensores públicos das duas cidades se comunicaram para saber se a transferência seria benéfica para a paciente, porque, segundo a família, ela já havia sofrido descaso do primeiro atendimento.

Daiane lembra que o médico disse que Claudinha "estava bêbada, mal por causa de briga de rua e iria para casa quando acordasse". “Ficou das 5h da manhã às 22h sem atendimento. Se não fosse isso, não teria tido hemorragia na cabeça”, diz a sobrinha.

“O médico disse que aqui em Mundo Novo tem enfermeiros e será melhor. Não tenho ideia do quanto vamos precisar, mas estamos fazendo a vaquinha, porque eu vendo bolos e estou parada desde que isso aconteceu, minha avó é aposentada e o dinheirinho dela vai tudo com as contas, meu avô também não tem condições. O que doarem vamos usando”, diz Daiane. 

Claudinha, como é conhecida pelos amigos, vai passar ainda por exames diversos, inclusive nos olhos, cirurgias no maxilar e maçã do rosto. Além disso, vai precisar de fisioterapia e medicamentos fortes. “Minha avó está muito triste, emagreceu porque não come direito”, conta Daiane sobre a angústia da mãe da paciente.

Como ajudar - Quem quiser fazer doações de qualquer valor, pode enviar via Pix para o CPF 102.255.069-12, conta de Daiane Almeida. 

FONTE/CRÉDITOS: Campo Grande News
Comentários:

Veja também

Seja bem vindo!