Portal do MS - Sua fonte de notícias de Mato Grosso do Sul

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Notícias/Policial

Vereadora do 'fique em casa' pula Carnaval, reclama da PM e vira alvo de vereador

A assessoria da vereadora disse que prepara uma nota para rebater as acusações.

Vereadora do 'fique em casa' pula Carnaval, reclama da PM  e vira alvo de vereador
Reprodução Facebook
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Vereadora Camila Jara, do PT, defensora enfática do ‘’fique em casa’’ na pandemia da covid-19, foi flagrada em um baile de carnaval, em Campo Grande. A petista ainda reclamou da polícia por acabar com a festa e agora vai ser denunciada pelo colega, Tiago Vargas, do PSD. 

A ‘folia da hipocrisia’ foi denunciada por Tiago Vargas, nas redes sociais. Segundo o vereador, os policiais teriam encerrado a festança, por não seguir os protocolos de biossegurança em razão da covid-19. 

Ainda conforme Vargas, a petista acusou os agentes da lei de homofobia durante a abordagem. O vereador promete denunciar a colega na Câmara Municipal. 

‘’Estarei representando na Comissão de Ética por calúnia e difamação. Ela vai ter que provar o que falou dos nossos valorosos agentes da Segurança Pública’’, desabafou Vargas. 

‘’Vereadora Camila Jara, enquanto você estava pulando carnaval, os nossos policiais estavam trabalhando’’, refletiu o parlamentar do PSD. 

Resposta

A assessoria da vereadora disse que prepara uma nota para rebater as acusações de Tiago Vargas. 

Porém, na rede social, Camila admite que esteve na festa, mas que todos os protocolos de biossegurança do evento foram observados. Ela sugeriu que a festa só foi interrompida pelas autoridades, em razão de contar com público LGBTQIA+. 

A vereadora emitiu nota, onde reforça a suspeita de homofobia na abordagem da polícia. Sobre aglomeração na pandemia, a parlamentar citou o alto índice de vacinados na cidade. Confira o texto na íntegra.

"Estamos tranquilos e cientes do nosso papel em defender as minorias; qualquer tentativa de intimidação é motivada muito mais por fins eleitoreiros do que pela defesa dos interesses legítimos do povo. A voz da comunidade LGBTQIA+ precisa ser ouvida.

No evento Farofolia CG foram cumpridos os protocolos de biossegurança, os mesmos exigidos em todas os outros eventos que têm ocorrido na cidade. Mas esse evento, que era declaradamente voltado para o público LGBTQIA+ foi alvo da Polícia Militar com a fraca alegação de que as pessoas entraram sem passar álcool em gel nas mãos.

Campo Grande está com praticamente 73% da população com ciclo vacinal completo. Vacinação esta que sempre estimulamos e incentivamos, pois sabemos da importância para a redução de casos graves e mortes. 

FONTE/CRÉDITOS: Top Mídia News
Comentários:

Veja também

Seja bem vindo!